O Doido

514e06a327e0071a28b93f0ecfd01605José Socas. O doido varrido ou doudo, como escreveria meu pai. Um rinoceronte numa montanha de geléia. Criado na mais fina flor do pensamento desvairado, alimentado de idéias desestruturadas que cheguem de todos com quem converso, atormentado pela necessidade caótica de encontrar simetria em tanta confusão.

Alguém que não sabe se nasceu pra este mundo, mas tenta, e erra… muito… e aprende… e erra. E talvez seja para isso estamos todos aqui.

Nemo que teima em acreditar no sonho de que já acordou. Poor Little Nemo? De jeito nenhum! Pobre de ninguém.

A música já começou e, quando toca, alguns dançam: a raposa, o javali, a harpia, a coruja, o squonk. O doido? O doido só ouço e vago, farnel ao ombro, olhos para a lua, sem saber onde isso tudo vai dar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s