Durante a peça, o ator tem um insight de que o cenário é totalmente equivocado. A música, descabida, inconveniente mesmo. As personagens, inverossímeis e clichés como se produzidas em xerox de outros roteiros. O roteiro mesmo,igual a qualquer outros. O fim, o de sempre. A música, copiada e transcrita da última moda, sua ela boa ou ruim, desde que moda. Está ali porque é mais um. Porque coube-lhe esse papel de mais um. Cabe desempenhá-lo. Não necessita de arte, nem a tem, já sabe onde dá.

Frustração maior é sentir-se superior, porém incapaz. É não compreender como tudo o que é certo, tudo o que lhe foi ensinado, dá errado no caminho dos mais errados que você mesmo condenou. É de sentir-se pior que inútil, pior que zero. É saber-se negativo. Suspeitar que os que lhe importam estariam melhores sem si. Isso é o time não há onde nem porquê desenvolver melhor a ideia.