Bolhas de Sabão

009boris2Não consigo imaginar que no mundo haja alguém que não goste de bolinhas de sabão.
Hoje em dia há vários apetrechos, uns equipamentos complicados, para fazê-las. Alguns parecem raquetes, há pistolas eletro-mecânicas, varetas, varas, espadas, liqüidos especiais.
No meu tempo de criança, havia apenas detergente num copo com água e o canudinho que furtávamos de alguma lanchonete mais chique. Canudinhos eram muito preciosos então. Não era comum tê-los em casa, nem mesmo em lanchonetes. Quando não havia copos de vidro usava-se o próprio gargalo da garrafa.
Guardávamos os canudinhos usados por vários dias, até estragarem e não fazerem mais bolhas.
Para a alegria, bastava molhar um pouco uma das pontas na água com detergente, tirar e soprar com cuidado. Treinando um pouco, a bolha saia, sem cor, água não tem cor, mas refletia todas as cores do mundo à sua volta. Virava berlinde voador. 
Eram as bolhas de nosso mundo infantil voando.
Vários sopros não davam certo, tínhamos que tentar algumas vezes para conseguir uma bolha que não estourasse logo. Depois soprávamos e a seguíamos, até estourar no céu, na parede ou num nariz.
Sempre imaginei como seria o mundo visto por dentro delas, colorido, disforme, direito?
Havia de ser bonito.bubble_dream_fairy

FDS

Li, agora de manhã, as coisas que escrevi nos últimos dias.
Tive umas idéias legais, o começo de cada texto ficou bom, mas não gostei da conclusão de nenhum. Me dão impressão de relaxo.
Isso e também os erros de digitação.
Fiquei chateado comigo.
Sensação de cuidar mal do jardim.

01:00

Vejo o relógio, é tarde, mas não queria dormir.
Hoje, ao invés de sonhar, queria sumir, pra sempre.
Fugir pra onde ninguém me conhecesse.
Não quero dormir sem escrever algo.
Preciso.
Às vezes ajuda, às vezes piora, mas preciso. Eu quero, muito.
É um pedaço de mim que eu deixo voar, livre, pra ser feliz.