Little John, Jonnie the Kid

To dream the impossible dream, to fight the unbeatable foe, to bear the unbearable sorrow, to run where the brave dare not go. To write the unwritable wrong, To be better far than you are, to try when your arms are too weary, to reach the unreachable star.
This is my quest, to follow that star, no matter how hopeless, no matter how far.
— Joe Darion, The Quest, interpretada por, entre outros Elvis Presley, Frank Sinatra e Plácido Domingo

 

 

Este, meus amigos, é Little John. Jonnie, The Kid. O mais destemido dos colonos deste lado da fronteira.

Vocês que não são daqui talvez não saibam, mas estas terras foram divididas a custo de muita luta. Quem primeiro chegou, teve a prerrogativa de mapear o terreno e estabelecer seus limites consonante o que era capaz de explorar e defender. Muitos chegaram quando os mapas e plantas das propriedades já estavam definidos e, por isso, outro caminho não acharam que o do confronto para conseguir chão onde erguer teto e trabalhar.

Há ainda alguns que, mesmo tendo oportunidade de conquistar seu território de forma honesta, preferiram o caminho da vilania. Dentre esses está Baby Hugh. Baby coleciona histórias de negociatas com o poder, de crime acobertado pela lei, de toda sorte de suborno para legitimar sua vida fácil.

Hoje, prestes a estarem frente a frente em duelo, sem capangas ou protetores, ambos sabem que a luta deverá ser justa e honrosa, se não por vontade conciliada, pelas condições em que se encontram nesta seara, isolados de todo o resto do mundo, separados apenas pelas fronteiras de seus territórios. Fronteiras artificiais com as quais nem Little John, o primeiro a chegar, nunca concordou e Baby Hugh, o invasor, nunca pediu acordo.

Little John examina suas armas, não queria que as coisas se resolvessem assim, mas é obrigado a isso. Lança o olhar para fora da janela, o Sol já nasceu há algum tempo. Seu pensamento vaga um instante, pensa no colo da mãe, no café da manhã, em todas as suas glórias do passado e nas do futuro. Percebe que melancolia é como preguiça e não resolve, apenas serve de muleta aos fracos.

Decidido, suspira, olha nos olhos o inimigo que também está a postos, levanta alto seu travesseiro e com um feroz grito de guerra parte ao ataque em direção à cama do irmão.

Valha-lhe Deus, desta vez a mãe não o interrompa antes da vitória.

Lua e Estrelas

The space around the stars is something that you know.
A billion miles of darkness left you feeling low

— Marillion, Space

20140405-003257.jpg

Hoje está mais difícil de blogar, estou mal-equipado, apenas o iPhone.
Então peço desculpas pela texto curto.
Eu não podia deixar passar em branco o dia de hoje, ou melhor: a noite.
O céu não estava claro, pelo contrário, temi chuva, mas quando escurece a noite, a lua surge e pipocam estrelas, sempre me toma um maravilhamento.
Fiquei tanto tempo olhando o céu, tentando identificar as estrelas, adivinhar come é a lua de perto, que quis ter adormecido ali, na espreguiçadeira da varanda, com apenas esse céu por cobertor.

Perdoem-me a qualidade das fotos. Ao vivo é mais bonito do que eu consegui fotografar. Na minha foto, a Lua fica desfocada, as estrelas nem aparecem. Ao vivo, é tudo um quadro muito bem pintado e brilhante.

Everybody in the whole of the world feels the same inside.
Everybody in the whole of the whole of the world.
Everyone is only everyone else.
Everybody’s got to know.
Everybody lives and loves and laughs and cries and eats and sleeps and grows and dies.
Everybody in the whole of the world, we’re the same inside

 

20140405-003321.jpg