Pássaro

Um tocador de violão não pode cantar, prosseguir, quando lhe acusam de estar mentindo.
Quer virar pássaro e voar no ar, no ar.
Quer virar pássaro e sumir…
— Sá & Guarabira, Pássaro

Sou fã dO Terço (a banda, não o do Rosário que minha avó trasmontana me ensinou a rezar) desde que o conheci.
Ouvir o Casa Encantada e o Criaturas da Noite, primeiros dois álbuns que comprei deles, foi chocante: primeira banda brasileira que vi criar tamanho ambiente com composições próprias e um som muito original.

Mas Casa Encantada termina com uma música que não é deles. É Pássaro de Sá & Guarabira. E não adianta torcer o nariz. Essa música, não sei por quê, sempre me fascinou. Talvez pelo contraponto que faz ao som do resto do álbum? Não sei, mas, cada vez que o ouço, me pego cantando-a mentalmente por dias.
E só hoje percebi que sua letra não tem mais que três linhas.
Curioso, será por causa disso mesmo?

Ainda Cá Algo Se Esconde

Quem conta um sonho que sonhou não conta tudo o que encontrou. Contar um sonho é proibido.
–– Madredeus, O Sonho

A vida já a nossa frente está, não precisa quem a conte. E nem o queria eu. Pra quê? O sonho, o sonho sim. Este merece ser contado, porque só ao contá-lo e recontá-lo, podemos experimentar algum de seu sabor.

Se o amigo perceber algo de errado nas confissões daqui, por favor, não leve a mal. Entre o sonho e a realidade, qual escolherias?